Solenidade da Sagrada Família

O Instituto Secular das Cooperadoras da Família (ISCF), e o Movimento por um Lar Cristão (MLC), por intuição do seu Fundador, Venerável Mons. Joaquim Alves Brás, tomaram para seu titular e padroeira a Sagrada Família de Nazaré, reflexo da Família Trinitária e modelo perfeito de todas as família cristãs.

As Cooperadoras da Família, da Beira Baixa, residentes em Castelo Branco, Covilhã e Casegas, terra natal do seu Venerável Fundador, reuniram-se, com as famílias do MLC, das mesmas localidades, para conjuntamente celebrarem a Solenidade da Sagrada Família, sua Padroeira.

Para além da participação activa na celebração da Eucaristia, na Sé Catedral de Castelo Branco, da refeição partilhada e do convívio fraterno, entraram, em espírito de oração, entre cânticos de alegria e silêncios contemplativos, no Portal de Belém e na Casa de Nazaré, para colherem e transporem para a vida quotidiana as magisteriais, e sempre actuais, lições da Sagrada Família. Colheram particularmente as lições do trabalho e da oração, do diálogo e do silêncio, da partilha e da solidariedade, tão necessárias hoje, quer nas famílias, quer na sociedade.

Reafirmaram, mais uma vez o compromisso de fidelidade ao carisma do Fundador Venerável, Mons. Joaquim Alves Brás, e à missão que lhes cabe nas instituições a que pertencem (ISCF e MLC): “Passar fazendo o bem é seu ideal, fazer brilhar a luz, onde erro houver, levar a paz e o amor, onde houver mal, para as fomes de pão, ser pão de comer”.

Na recente Tradição da Igreja celebra-se no domingo após o Natal a Solenidade da Sagrada Família Jesus, Maria e José. Deus quis manifestar-se aos homens integrado numa família humana. Ele quis nascer numa família, quis transformar a família num presépio vivo. Por isso pode considerar-se a Solenidade litúrgica da Sagrada Família o verdadeiro dia da Família!

A casa de Nazaré é a escola onde se começa a compreender a vida de Jesus: a escola do Evangelho, diz o Papa Paulo VI: Que Nazaré nos ensine o que é a família, a sua comunhão de amor, a sua austera e simples beleza, o seu carácter sagrado e inviolável; aprendamos de Nazaré como é preciosa e insubstituível a educação familiar e como é fundamental e incomparável a sua função no plano social.

Se os lares cristãos imitarem o Lar de Nazaré serão lares muito mais felizes, porque cada membro da família se esforçará por aprimorar a sua relação pessoal com o Senhor, tornando, em cada dia, mais autêntica e amável a convivência, com todos os da casa.

Que a Sagrada Família de Nazaré, proteja as famílias para que, não obstante as dificuldades, se tornem espaços de amor e de paz.