PADRE ALVES BRÁS

Cooperadoras em Madrid celebram 50 anos da morte de monsenhor Alves Brás e 50 anos de presença

Data

São carinhosamente conhecidas por “las portuguesas”.  A poucos quilómetros do centro de Madrid têm a cargo um lar de idosos e uma creche. As Cooperadoras da Família em Madrid estão a viver uma dupla celebração: os 50 anos da morte de monsenhor Alves Brás e os 50 anos de presença do Instituto na capital espanhola. 

As primeiras Cooperadoras da Família chegaram a Madrid a 14 de abril de 1966, poucos dias depois da morte de monsenhor Alves Brás, que faleceu a 13 de março do mesmo ano. O padre Alves Brás tinha preparado a expansão do Instituto Secular das Cooperadoras da Família (ISCF) e tinha planos de ele próprio acompanhar as primeiras Cooperadoras. As complicações resultantes de um acidente de viação retiraram-lhe a vida no dia em que tudo estava preparado para a partida das primeiras Cooperadoras. Com a morte do fundador a viagem foi adiada e as primeiras consagradas chegaram a Madrid um mês depois.

Há 50 anos que “las portuguesas”, como são carinhosamente conhecidas no Bairro de Campamento, a cerca de seis quilómetros do centro de Madrid, prestam apoio a esta comunidade que foi crescendo.

Joaquina de Jesus integrou o grupo das primeiras  quatro Cooperadoras que chegaram a 16 de abril de 1966. Está aqui há 50 anos.  Aos 79 anos tem mais anos de Espanha do que de Portugal. Conheceu o padre Alves Brás quando tinha 12 anos e foi para Lisboa para ser “criada de servir”. “Arranjaram-me uma casa muito boa e estive nessa casa dos 12 aos 16 anos”. Ajudada por monsenhor Alves Brás foi descobrindo a sua vocação e aos 18 anos entrou no Instituto. Aos 28 anos rumou a Madrid. “Integrei as primeiras Cooperadoras, éramos um grupo de quatro e aqui esta zona não era nada do que é hoje”, conta Joaquina de Jesus.

Mas desde logo foram acolhidas pela comunidade local. Não havia paróquia mas havia um barracão onde se celebrava missa e as Cooperadoras logo começaram a colaborar com o pároco.

Foi nesta comunidade que mais tarde construíram o edifício (que data dos anos 70 do passado século) onde hoje está sediado o Instituto Secular das Cooperadoras da Família, em Madrid.  Uma casa que acolhe a “Residência Sagrada Família com 57 idosos e o Centro Educacional Infantil monsenhor Alves Brás” com cerca de 116 crianças, dos zero aos três anos”, explica Deolinda Cândida, uma Cooperadora da Família há 25 anos nesta casa. Aos 83 anos ainda faz Madrid-Lisboa de carro.

Ao todo são 12 as Cooperadoras da Família em Madrid. 10 portuguesas e duas espanholas.  São elas as missionárias do carisma de monsenhor Alves Brás por terras espanholas. Juntamente com um corpo de colaboradores que ronda as três dezenas, levam por diante o lema do Fundador: cuidar, dignificar e santificar a família, neste caso, através do apoio à infância e à terceira idade.

Por entre os corredores dos cinco pisos desta grande casa é fácil encontrar idosos que ainda se lembram da construção deste edifico. Às Cooperadoras da Família chamam “las portuguesas” ou “irmanas”  e não se cansam de elogiar o carinho com que são tratados.

Alejandra Diego é a utente que vive nesta Residência há mais tempo. Tem 86 anos e vive aqui desde que perdeu a mãe, há 40 anos. “Esta é a minha casa, a minha família”, conta.

Magdalena Arias não leva tantos anos nesta Residência mas leva muitos mais de vida. Do alto dos seus quase 107 anos ainda vai recordando as datas de aniversário de filhos e netos.

Um ambiente familiar caracteriza o relacionamento e os espaços. Todos os idosos vivem em quartos privativos. Quando saem uns de ao pé dos outros dizem “vou para a minha casa”.

É junto desta comunidade que as Cooperadoras da Família se preparam para assinalar  50 anos da morte de monsenhor Alves Brás e os 50 anos de presença em Madrid. “Estamos muito contentes com esta dupla celebração”,  afirma Deolinda Cândida.

A celebração conta com a presença da Coordenadora Geral do Instituto, Alice Cardoso e Henriqueta Baptista, que aqui viveu cerca de 20 anos. Deslocaram-se de Lisboa a Madrid para assinalar a data.

Uma celebração eucarística decorrerá amanhã, ao final da tarde, (dia 13 de março) na paróquia de Nossa Senhora do Pilar de Campamento e será presidida por D. Carlos Osoro, Arcebispo de Madrid.

Também da parte da tarde, antes da celebração eucarística, o teólogo Juan Ambrósio fará uma conferência intitulada “50 anos depois está vivo! A Família no horizonte da missão”.

Texto: IM/Jornal da Família, em Madrid – 12 mar, 2016